segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Mesmo com início ruim Nacional depende apenas de suas forças para se classificar

Por Alessandro Yara Rossi


Apesar do tropeço diante do Tocantinópolis na abertura do Grupo Z da Copa São Paulo de Futebol Júnior no último domingo, o Nacional precisa esquecer este resultado e focar todas as suas forças para a segunda e praticamente decisiva partida, contra a Ponte Preta. A situação da equipe da Capital Paulista é bem simples: vencer os dois jogos restantes se quiser obter a classificação sem a ajuda de terceiros, caso isso não ocorra a eliminação precoce acontecerá novamente, como no ano passado.

O problema que o técnico Marcel tem que resolver até o jogo de quarta-feira é o individualismo, que extrapolou em demasia, isso culminou nos erros de conclusões ao gol, no qual sofreu o gol de empate no contra ataque seguinte. Apesar de possuírem grande potencial, os meias Amilton e Ronaldo, não podem optar pelas jogadas de efeito, é muito mais fácil buscarem pela objetividade, isto prejudicou em 90% das ações ofensivas, tendo em vista, que no primeiro tempo, o time jogou sem um atacante de referência.
 

Porém, a entrada do centroavante Pedrão, artilheiro do NAC, na edição passada do Sub-20 da Segunda Divisão, com 7 gols marcados, não mudou muito o panorama e mais chances foram desperdiçadas.

Torcida do Naça deve comparecer em bom número nesta quarta-feira
 

 
A expectativa é que a lição seja digerida consideravelmente, afinal a Ponte Preta provavelmente vai optar por um esquema mais ofensivo, já que outra derrota significará a eliminação no torneio (perdeu na estreia do Paraná por 1 a 0). Portanto esta é a oportunidade de o Naça adiantar um pouco a marcação, afinal atua no 3-4-2-1, variando para o 3-4-1-2 e pressionar a saída de bola adversária, aproveitando a lentidão da linha de quatro defensores, isso ficou claro no gol do Paraná, onde o atacante Júlio César, entrou com muita velocidade pelo lado direito ganhando dos marcadores e balançou as redes.

Mais um aspecto em que o Nacional requer atenção máxima é na bola parada, já que a Macaca mostrou que esta é a principal arma no campo de ataque, porque os zagueiros, que possuem alta estatura aproveitam esta característica e procuram anotar os seus gols, nisso o posicionamento defensivo será de extrema importância.

Outro ponto forte do clube campineiro é o bom goleiro Lucas, que realizou pelo menos cinco intervenções que evitaram uma derrota mais desastrosa. Hora do ataque do Naça mostrar eficiência e tranquilidade na finalização.

Um desfalque que vai fazer falta neste jogo que pode definir o encaminhamento das agremiações: o bom volante Edi, que foi expulso e sem dúvida nenhuma, o meio de campo perde, já que ele chega com muita qualidade ao ataque e passa segurança ao sistema defensivo.

Enfim, o Nacional pode se classificar a fase seguinte da Copinha, mas algo precisa colocar na cabeça de cada atleta: futebol é um jogo coletivo, o passe é essencial no sucesso para o caminho das vitórias e às vezes uma assistência é a melhor opção, do que preferir resolver tudo sozinho.

Se acontecer de maneira positiva a esperança de classificação continua e vai definir na última partida, frente o bom time do Paraná, senão é começar a pensar no planejamento da Segundona.